5/30/2017

Retratos de FLORIANO

Avenida Eurípedes de Aguiar na década de 40
Maravilhosa imagem da década de quarenta da nossa querida avenida Eurípedes de Aguiar na altura do cruzamento da rua Padre Uchoa.

À esquerda, na esquina, hoje funciona o Centro Cultural da família de Christino Castro. Observamos, ainda, a preocupação dos gestores da época com relação aos nossos arveredos no tocante ao clima da cidade.

Lamentavelmente, com o advento da tecnologia em todos os sentidos dos dias de hoje, Floriano também processa essas mudanças radicais. O asfalto, necessariamente, é uma questão de ordem, mas o clima torna-se cada vez mais quente.

O nosso rio Parnaiba alivia o calor, mas com a sua degradação, a situação tende a puiorar, se não tomarmos as medidas cabíveis. os nossos gestores atuais têm a obrigação de buscar alternativas no sentido recuperar o tempo perdido e apresentar soluções rápidas e ululantes.

Floriano precisa respirar um ar de moço bom, temos recursos para isso, mas cabe à sociedade e a quem está na linha de frente dos que comandam a cidade, o de reivindicar junto aos órgão federais e estaduais, os recursos a que temos direito.

Quem viver, verá!

5/24/2017

Coleção FLORIANENSES, Volume 6

A Fundação Floriano clube lançará, em julho próximo, dia 08, o Volume 6 da Coleção FLORIANENSES, dentro da programação das festividades de aniversário da cidade.


O lançamento será realizado no Hotel Rio Parnaiba às 19:30 horas e o evento fará parte das comemorações do 120º Aniversário de Floriano.

Neste volume estão sendo homenageados Ondina Silva, Maria isaura Silva, Júlia Silva, João Clímaco da Silva, Agrônomo Parentes, Edison Araújo, Agostinho Reis, Raimundo Araújo, Gabriel Kalume, Michel Demes, Gilberto Martins, Hélio Martins, Naila Bucar, Osvaldo marcello, Antonio Segundo, Geraldo Teles, Geni Barbosa, Antonio sobrinho e ainda Pindaro Castelo Branco, Clovis Ramos, Nelson Oliveira, Vilmar Oliveira, maria do Carmo Drumond, Iracema Atem, pastor Freitas, José Clementino, Dulce clementino (Jannete) e Bruno dos Santos

5/22/2017

HISTÓRIAS DO NOSSO FUTEBOL

PENALTI SEM GOLEIRO

Comercio Esporte Clube
Estávamos disputando o campeonato regional e os jogos eram de ida e volta. Landri Sales recebia Jerumenha. A seleção de Jerumenha, sob o comando de Emanuel Fonseca, que se fazia às vezes de técnico e jogador (craque de bola), (chegou a jogar no River de Teresina) estava preparada.

Chico Kangury, embora não fosse um craque, mas era um determinado e tinha um pique muito bom e eu sabia como explorá-lo em bola de profundidade.

Ele começou jogando bola nos campinhos de Floriano como ponta direita e em Jerumenha era lateral esquerdo e só chutava com a perna direita e o pé embolado (em outra oportunidade já contei a resenha do pé embolado).

O Nego era invocado, só jogava com a camisa de nº 5, fã do Denílson do Fluminense, fazia de tudo para imitá-lo e quando pegava na bola, dizia: lá vai Denílson, defendeu Denílson e coisa e tal. Sim, no treino de apronto Kangury, que era titular acidentou-se, a grama do campo era capim de burro e cortou o pé dele arrancando a unha do pé direito e foi escalado para a reserva naquele jogo.

Dia seguinte, seguimos na carroceria do caminhão da prefeitura, a estrada só tinha o rumo, chuva direto de Jerumenha até Landri-Sales. Tudo Bem. Viagem foi boa. Chegando ao Campo de Futebol, este era todo de barro, a bola batia e empinava, não tinha um montinho de areia e grama para amaciar a pelota. O campo todo cercado de corda e demarcado com cal virgem.

O Apitador era escolhido pelo Anfitrião. A torcida, fanática, soltava rojões e tiros a cada 5 minutos. Era este o clima que encontramos. Estádio repleto de torcedores e começa o jogo.A seleção de Landri-Sales estava com um ponteiro direito habilidoso, driblava bem e estava dando um sufoco no lateral esquerdo nosso, e comecei a me preocupar, fazia de tudo e não podia subir, o Chiquinho, Antonio Rocha e Wilhame, segurando o meio de campo e a nossa defesa passando sufoco e, logo, logo fizeram um gol e mais outro gol, todos em cima do nosso lateral esquerdo, terminamos o 1º tempo perdendo de 2 gols a 0.

No intervalo, o Emanuel chamou nego Kangury pra saber as condições do pé, e disse: você vai jogar, prepare-se e tirou o lateral esquerdo. O Antonio Rocha, estudante de medicina, deu uma melhorada no curativo do pé do negão e saímos pro 2º tempo.

Naquela época, eu me sentia bem jogando com ele, pois sabia como explorar a sua velocidade, era um pique monstro. Encostei nele e disse: olha, compadre, o homem é aquele, vá com calma e dê duro, ora na primeira de copa, Kangury deu uma encostada nele e o cara sentiu que a barra pela direita era pesada e aí o nosso time começou a acertar, Chico José, Antonio Mirton, Emanuel Fonseca e Kangury estavam afinados, começaram a subir dois a dois, e eu avancei mais e surgiu a oportunidade de chutes a gol e fizemos o primeiro gol.

A Ponta direita tentou uma jogada em cima de Kangury, ele deu chance para o camarada sair pela ponta, lá perto das cordas, quando o cara foi cruzar a bola, Kangury encostou, o cara subiu, ele tirou o corpo de lado e caiu também para evitar uma expulsão.Eu estava distante, ele me disse depois, que um torcedor agarrou-o pelo calção e o levantou com um revolver na mão, deu um tiro pra cima e disse-lhe, se tu encostar neste menino de novo, tu vai ver. Moral da Resenha: O ponta direita sumiu, foi jogar de zagueiro, e dominamos o jogo, fizemos mais um gol e empatamos de 2 x 2.

Faltando uns 5 minutos pra terminar o tempo de jogo, eles lançaram uma bola em profundidade e o Emanuel chegou atrasado no lance e a bola encobriu o goleiro, saiu em cobertura e chutou prensado com o atacante, caindo no chão, o zagueiro Antonio Mirton, que também saia em cobertura do goleiro, deu um carrinho na bola colocando-a na linha de escanteio, o atacante chutou as pernas do zagueiro e caiu no chão, o árbitro cinicamente marcou pênalti. Pense numa confusão.

O tempo fechou, Emanuel Fonseca foi um técnico valente, enfrentou as feras e tirou o time de campo, mandou todo o pessoal subir no caminhão, cobrirmo-nos com uma lona e recebemos uma chuva de pedra.

O soprador de Apito, comprado pelo time adversário, colocou a bola na marca do pênalti e mandou que um jogador do time de Landri-Sales ficasse no gol e um outro chutasse a bola e cinicamente colocou a bola no centro do campo e queria que a gente voltasse para continuar o jogo. Não voltamos. Fomos para o Hotel. Tomamos banho e ainda fomos para o forró à noite. Mas ficamos velhacos. A barra era pesada e todo mundo querendo ver o Chicolé, conversar com chicolé e coisa tal.

No Jogo de volta em casa, enfrentamos o mesmo time e metemos 11 x 0, até o negão Kangury fez gol de pênalti.

Estas histórias boas e vividas merecem ser contada em verso e prosa. São inesquecíveis e quando narramos parece que estamos vivendo os momentos.

5/19/2017

10 motivos que fizeram de Altos o campeão piauiense

Altos - Campeão Piauiense 2017
(ACORDA, FLORIANO!)

Embora estando à distância do cotidiano da Associação Atlética de Altos, observei alguns motivos que, no meu entendimento, foram fundamentais para que o time da terra da manga conquistasse o título do Campeonato Piauiense de Futebol da 1ª Divisão de Profissionais. Vamos a eles:

1 - O amor do seu presidente Warton Lacerda pelo futebol. Certamente, em algum lugar do passado, ele imaginava fazer o que tem feito se oportunidade tivesse para tal. A possibilidade surgiu com a vitória da esposa, Patrícia Leal, para o cargo majoritário da Prefeitura de Altos.

2 - A elaboração de um planejamento, desde a fundação da equipe, em 2013, iniciando pela formação da primeira diretoria, comissão técnica primeiros jogadores e amistosos visando a filiação junto a Federação de Futebol do Piauí e a disputa do Campeonato da 2ª Divisão.

3 - O apoio da prefeita Patrícia Leal, que não mediu esforços para, dentro dos parâmetros legais, dar o seu incentivo ao futebol, vislumbrando os frutos que, outrora, já foram colhidos, em situações semelhantes, por Picos (campeão piauiense em 1991, 1994, 1997 e 1998), Parnahyba (campeão em 2004, 2005, 2006, 2012 e 2013), Barras (campeão em 2008) e 4 de Julho (campeão em 1992, 1993 e 2011). À época, todos eles tinham expressivo apoio do poder público municipal.

4 - O acerto na contratação dos jogadores. Desde a 2ª Divisão, Warton Lacerda e seus companheiros mais próximos erraram muito pouco. Sem fazer cálculos mais exatos, imagino cerca de 90% de acerto nas contratações.

5 - A visão de montar-se uma estrutura que fosse, no mínimo, igual à do mais forte adversário - neste caso, o River. Esse tempero foi fundamental para o Jacaré ter a credibilidade na hora de buscar parcerias.

6 - Em cada ação da diretoria, ao passo desses três anos de futebol profissional, a correção de erros anteriores. Quando houve falha, na primeira oportunidade ela foi corrigida. Um dos últimos exemplos pode ser a troca de treinador. Quando o time perdeu Francisco Diá, Warton Lacerda trouxe Ruy Scarpino. Mas viu a tempo que ele não iria muito longe, acertando com Paulinho Kobayashi.
7 - A contratação de nomes que podem dar uma referência positiva ao plantel, como foram os casos de Tiaguinho, Roni, Pantico, Carlinhos Bala e agora Eduardo. Com as conquistas, e o futebol apresentado em campo, outros foram sendo vistos e alcançando seu espaço, casos de Esquerdinha, Marcelo, Manoel e Gênesis. Para citar apenas estes exemplos.
8 - A criação de mecanismos básicos para divulgação de um clube de futebol que busca afirmação e popularidade. O hino oficial, o mascote, a confecção de camisas para atender a demanda da torcida, a página no facebook com excelente material fotográfico. Quem é do ramo do marketing sabe o quanto isso é fundamental.
9 - O aproveitamento da primeira competição nacional para atingir resultados positivos que, certamente, foram importantes nos contatos com profissionais da bola e empresas da iniciativa privada fora sediadas fora do Piauí.
10 - Por fim, em face de cada resultado, o crescente apoio da torcida, que passou a ver, no seu representante, um motivo a mais para ter orgulho de ser altoense.

Fonte: sitedobuim (Severino Filho (Buim/Editor)
      

5/18/2017

CRÔNICA DO DIA

RIACHO DA ONÇA

Coleboração: Nelson Oliveira

O surgimento do Riacho da Onça foi diferente do Riacho do Gato,visto que ele veio de várias grotas que se tornaram seus afluentes ao longo de sua extensão. O seu leito está localizado ali naquele grotão existente entre a rua Godofredo Messias, no bairro Catumbí e a hoje avenida Bucar Neto, anteriormente chamadas de ruas da Bandeira e José Messias, respectivamente, as principais entrada e saída da cidade que vem dos demais estados, exceto o Maranhão.

Os seus afluentes somente o alcançaram numa junção que aconteceu na ponte existente nas proximidades do Eldorado Center no encontro das ruas Olias Oka com a rua Godofredo Messias no bairro Catumbi, por uma vertente de um grotão que existia paralelo à rua Castro Alves, nascido no bairro Viazul, que passando ao lado do Colégio Estadual Osvaldo da Costa e Silva, se juntava às águas do riacho do Escurador e escorrendo paralela a hoje rua São Miguel, passava ao fundo do mesmo colégio já citado e se juntava às águas que vinham do grotão, cuja água escorria paralela a rua antiga José Messias e atualmente Bucar Neto, encontrando-se com as outras vertentes na ponte próxima ao Eldorado.

Daí pra frente, ao que se supõe, nasceu o famoso Riacho do Onça, cujo título desconheço as razões, prosseguindo paralela à Bucar Neto, atravessando as ruas João Dantas, Gabriel Zarur, atravessa Milad Kalume, atravessando a avenida Getúlio Vargas na altura dos Correios, passando pela rua Bento Leão, na parte mais baixa, invadindo terrenos do Bosque Santa Teresinha, surgido nos anos de 1950, chegando a Barra da Onça, onde desaguava no rio Parnaiba, cujo local desapareceu com as obras ali realizadas pela Prefeitura Municipal, visando diminuir ou acabar os alagamentos existentes naquela região.

No meu modesto entendimento essa é uma rápida história do mais tradicional riacho de Floriano, que sucumbe diante do desenvolvimento das cidades.

Já com o nome de Bosque Santa Teresinha, em homenagem à virtuosa Santa, que tem  uma história que eu prefiro guardar comigo e daqueles que sabem disse nos 40 numa parte do terreno, que salvo engano era de propriedade do Sebastião Martins ou  do senhor Afonso Nogueira, era repleto de frondosos cajueiros, mangueiras, umbuzeiros verdadeiros de imensurável sabor foi construído um campo de futebol, de razoável dimensão e instrumentos para a prática de educação física, destinado ao Tiro de Guerra Número 237, onde os jovens da nossa comunidade recebiam os devidos adestramentos na prática militar e na formação do cidadão.

Enquanto existia os tiros de guerra espalhados pelo Brasil inteiro, instruindo os jovens, não se tinha tempo de falar em maconha (que nem se conhecia e nem se ouvia falar) e mais a cocaína, craque e outros que prefiro não enumerá-los.

Sabem porquê acabaram a respeitável Instituição, por medida de economia de um dos governos de Fernando Henrique Cardoso. Salvo engano.

Pois ali, caros amigos, naquele campinho que ficava ao lado da rua José Guimarães, nasceu o Ferroviário Atlético Clube, de Antonio Clovis Ramos, Adauto, Nelson Oliveira, Vilmar, Nelson Embarcadiço, Fenelon Brasileiro, Abdon, Nenem Mão de Paca, Nascimento e muitos outros que me fogem à memória, não podendo esquecer do doutor Hélio Castro, doutor Angeline, médicos renomados do nosso Estado. Depois, veio o grande Ferroviário dos anos 70/70 de Tibério Nunes, Deusdete Macarrão, Merval Lúcio, Domingos dos Santos, José Meirereles, Alcebíades Costa, Almir Zaidan, Milton das Casas das Roupas, Pepedro, Binda, Cabeção e outros.


Ah, que saudades de tudo isso!

5/07/2017

Lançamento do novo Hospital Regional Tibério Nunes acontece neste sábado

Maqueno novo Hospital TN
Está acontecendo neste momento, no Garoto Park Hotel, em Floriano, o lançamento do projeto do novo Hospital Regional Tibério Nunes, com a presença do secretário de estado de Saúde, Dr. Francisco Costa, prefeito Joel Rodrigues, e outras lideranças locais. Segundo o projeto, um novo prédio será erguido no lugar da atual estrutura metálica, com uma área três vezes maior.

O novo Hospital será uma unidade mais moderna, com ambulatório atendendo urgência e emergência, 206 leitos de internação, Centro de Parto Normal, Casa da Gestante, 20 leitos de UTI geral, 10 de UTI neonatal e 10 de Ucinco, além de cinco salas de cirurgia e três de obstetrícia.

“Esse é nosso compromisso com os piauienses, serviços de qualidade mais perto de casa. Saúde descentralizada significa mais saúde para todos”
, escreveu Francisco Costa, em rede social.

Fonte: florianonews.com

5/01/2017

GINASIO PRIMERO DE MAIO 2017

Por - César Augusto

GPM - Ginásio Primeiro de Maio 

60 Anos de bons serviços a comunidade!

Quem já passou lá, com certeza, lembra:

Maria Roque, João de Deus,
 Sarah Araújo, Maria Helena (Diretora)
 e Jandira Siqueira! 
"A difundir o refulgente raio
Da luz bendita que se chama instrução
Nosso Ginásio Primeiro de Maio..."

Letra do competente Prof. Eleutério Resende e música de Raimundo Fonseca.

Este Hino, sem dúvida é uma das coisas mais bonita de Floriano!

A União Artística Operária Florianense, fundou e mantém até esta data uma entidade expressiva na educação dos jovens. A simbologia de Primeiro de Maio vem de 1957 é algo notável. 

Mais de 3.000 alunos concluíram o Ensino Fundamental, ajudando a formar cidadãos em diversas áreas: jurídico, medicina, odontólogos, engenheiros, contadores, administradores, políticos, empresários, comerciantes, advogados, fazendeiros, militares, funcionários públicos federais, estaduais e municipais, dentre outras categorias profissionais.

Atualmente o GPM tem mais de 300 alunos, distribuídos no Fundamental I com alunos a partir de 06 anos de idade do primeiro ao quinto ano e o Fundamental II, alunos do sexto ao nono ano.


Os Diretores que aturam desde 1957:

Braulino Duque, Maria Helena Siqueira (inesquecível - revolucionou o Ensino na época), Albérica Alves, Paula Francisca, Léa Almeida, Auta Maria, Carlos Vilarinho, Suzana França, Marenice Atem, Raimunda Silva, Maria Cândida Góes, Maria Angélica (admitida em 1957, trabalhou mais de 50 anos), Maria Madalena Laurentino (admitida em 1983 como professora) atual diretora desde 1999 até os dias atuais, com mais de 30 anos na escola.

Professores que lembrei:

Dr. Clementino (pra mim o melhor professor - OSPB), Neuza Matos, Lurdinha, Rubenita, Raimunda Silva.

O Ginásio Primeiro de Maio, mantém como tradição:

1. Desfilar pelas principais ruas e avenidas de Floriano no aniversário da escola (01.05)
2. Quadros de formaturas das turmas que encerram os cursos.

FLORIANO ganhará fábrica de roupas

Floriano deve sediar em breve uma fábrica de roupas. As instalações do empreendimento estarão sendo construídas no bairro Nossa Senhora da Guia, isso de acordo com o vereador Akassio de Sousa, de Floriano, que esteve fazendo uma visita ao local da obra acompanhando os empresários Admilson Caruarú e Silver Caruaru.
 akassio
“Estamos muito alegres por podermos contribuir com a vinda desse investimento para nossa cidade, pois sabemos das necessidades que enfrentamos por conta do desemprego e da falta de investimentos”, externou o parlamentar.

O vereador, que repassou as informações ao portal via whatsApp, não cita a ordem de recursos a serem aplicados na obra e nos maquinários que serão usados. A visita ao terreno foi esta semana.  
 cauru
 De início, deverão ser gerados dezenas de empregos na area da construção civil, para em seguida, após alguns meses, serem empregados outros profissionais nas áreas de escritório, costura e outros.



Da redação
IMAGEM: ASCOM Vereador